Os povos do Egito

Os povos do Egito

Os Egípcios Irredutíveis

Os egípcios são, notoriamente, tradicionalistas ao extremo. Ao longo da história do Egito, a ênfase tem sido a adesão às tradições, e os egípcios NUNCA se desviaram de tais princípios. No texto sobrevivente mais antigo do mundo (5 mil anos atrás), o escriba egípcio Ptah Hotep afirma:

Não altere/mude nada dos ensinamentos/instruções de seus pais (ancestrais) – nem mesmo uma única palavra. E que esse princípio seja a pedra angular dos ensinamentos para as gerações futuras.

Os egípcios nunca se desviaram desse princípio. Os historiadores iniciais atestaram esse fato, tais como Heródoto, em História, Livro 2, [79]:

Os egípcios mantêm seus costumes nativos e nunca adotam nenhum do exterior.

Heródoto, em História, Livro 2, [91]:

Os egípcios não estão dispostos a adotar os costumes gregos, ou, de maneira geral, os de qualquer outro país.

A essência de tal tradicionalismo é a total adesão dos egípcios ao precedente estabelecido por seus antepassados. Tudo o que eles faziam, cada ação, cada movimento, cada decreto deveria ser justificado em termos de sua precedência ancestralà qual se submetia e explicava suas ações e atos. Toda a sociologia e existência dos antigos egípcios e Baladi, do início ao fim, não é nada senão uma longa cadeia de precedentes ancestrais – cada elo e rebite tornou-se um costume e uma lei, de seus pais espirituais para si mesmos, na carne. Platão e outros escritores confirmaram a adesão completa dos egípcios às suas próprias tradições. Nada mudou em tal atitude desde então, pois todo viajante para o Egito desde essa época tem confirmado essa tal lealdade ao conservadorismo.

Com todas as falsas alegações sobre como os antigos egípcios mudaram seus caminhos, línguas, religião, tradições, etc., um estudo minucioso poderá expor que tais afirmações são meras miragens. A verdade é que as tradições antigas nunca morreram, e continuam a sobreviver dentro da maioria silenciosa, que é chamada (e chama a si mesma) Baladi, que significa nativos. As altas minorias dos egípcios (altos funcionários governamentais, acadêmicos, jornalistas e intelectuais autoproclamados) são descritas pela maioria silenciosa como Afrangi, que significa estrangeiros. Os Afrangi são os egípcios que comprometeram a herança egípcia para conquistar altos cargos e a aprovação dos invasores estrangeiros no Egito. Como ferramenta de forças estrangeiras, como os árabes, os Afrangi regem e dominam os nativos Baladi. Os Afrangi são, como seus comandantes estrangeiros, arrogantes, cruéis e vaidosos. Depois que as forças estrangeiras deixaram o Egito, os egípcios Afrangi continuaram seu papel de governantes idôneos.

Os Baladi Imutáveis – portadores da tocha dos antepassados – foram despojados desdenhosamente de sua nacionalidade – conforme explicado a seguir.

 

As “Religiões Raciais”

É um consenso o fato de que a história é “escrita” (mais corretamente ditada/colorida) pelos vencedores do(s) último(s) conflito(s). Como resultado, tem sido escrito e repetido que os antigos egípcios aceitaram o domínio das regras ptolemaicas e romanas; que eles mudaram voluntariamente suas crenças religiosas para o Cristianismo; e que pouco tempo depois, aceitaram voluntariamente o Islã como um substituto do Cristianismo. Consequentemente, muitos lados divergentes (eurocentristas, afrocentristas, islamistas, cristãos, etc.), que usam o Antigo Egito para promover sua própria agenda, insistem em dizer que a religião, a língua e as tradições antigas morreram. Essas falácias infundadas foram reforçadas pelos minoritários egípcios Afrangi – que servem os interesses dos conquistadores árabes desde 640 EC e que têm dedicado seus esforços à condenação de sua herança ancestral.

Por causa da natureza passiva dos egípcios Baladi, muitas pessoas inventaram “teorias” sobre a “identidade” dos egípcios sem absolutamente qualquer base científica e/ou histórica. A premissa de suas afirmações sem fundamento é pela divisão e identificação racial do povo do Egito, com base em suas supostas religiões. Alguns afirmam que as populações islâmicas do Egito (cerca de 90%) são compostas por colonos árabes da península árabe. A população cristã (cerca de 10%) é alegadamente composta pelos verdadeiros egípcios, referidos como coptas, descendentes dos antigos egípcios. Outros afirmam que a população islâmica do Egito é de sangue misto – dos antigos egípcios e dos árabes que invadiram o Egito em 640 EC. O “sangue” egípcio antigo não existiria mais.

Na verdade, as centenas de múmias egípcias antigas – de todas as idades, juntamente com os testes de DNA – assim como as numerosas figuras retratadas nos templos e túmulos do Antigo Egito – mostram que os egípcios “muçulmanos” atuais são da mesma raça que seus antepassados egípcios antigos.

A população cristã do Egito é marcadamente diferente da população “muçulmana”. Na verdade, os cristãos do Egito NÃO são nativos do Egito, mas sim de uma minoria estrangeira que veio para o Egito da Judeia e da Síria para servir os interesses dos romanos – tripular suas guarnições militares e/ou coletar diversos impostos romanos. Não é coincidência que as regiões onde a atual população cristã do Egito se concentra sejam exatamente as mesmas onde os romanos mantiveram seus centros militares e administrativos (coleta de impostos). Hoje, dois mil anos depois, esses siríacos são facilmente distinguíveis em aparência e maneirismos da maioria dos egípcios nativos. Visitantes estrangeiros confirmaram tais diferenças, tal como o pesquisador britânico E. W. Lane em seu livro The Manners and Customs of the Modern Egyptians [1836].

Ao contrário dos estrangeiros (siríacos e outros) que vivem no Egito, os egípcios nativos nunca se converteram ao Cristianismo. Foi a migração síria para a Alexandria que constituiu a maior parte dos primeiros cristãos no Egito. Em 312 EC, o Cristianismo tornou-se a religião oficial e única do Império Romano. Pouco tempo depois, o Império Romano se separou. O Egito tornou-se parte do Império Oriental (ou Bizantino) em 323 EC. O decreto de Constantino que tornou o Cristianismo a religião oficial do império teve dois efeitos imediatos no Egito. Em primeiro lugar, permitiu à Igreja fortalecer a organização de sua estrutura administrativa e adquirir uma riqueza considerável; em segundo lugar, permitiu que os fanáticos cristãos destruíssem os direitos, propriedades e templos religiosos egípcios nativos. Por exemplo, quando Teófilo tornou-se Patriarca de Alexandria em 391 EC, uma onda de destruição varreu a terra do Egito. Túmulos foram saqueados, paredes de monumentos antigos foram desfiguradas e estátuas foram derrubadas. A famosa Biblioteca de Alexandria, que continha centenas de milhares de documentos, foi destruída. Os cristãos primitivos fanáticos prosseguiram se apropriando dos templos egípcios antigos. Nos séculos IV e V, muitos templos antigos na margem oeste de Luxor (Tebas) foram convertidos em centros monásticos.

Não existem evidências arqueológicas, fora de Alexandria, que justifiquem as reivindicações excessivamente exageradas de popularidade dos cristãos. Os antigos egípcios não precisavam de nenhuma nova “iluminação” dos fanáticos cristãos, já que a própria religião agora chamada cristã já existia no Antigo Egito, muito antes da adoção do Novo Testamento. O egiptólogo britânico Sir E. A. Wallis Budge escreveu em seu livro The Gods of the Egyptians [1969],

A nova religião (Cristianismo) que foi pregada por São Marcos e seus seguidores imediatos, em todos os aspectos essenciais, lembrava muito aquela que resultou da adoração de Osíris, Ísis e Hórus.

A principal diferença entre as versões egípcia e do Novo Testamento é que o conto evangélico é considerado histórico e a história dos egípcios Osíris/Ísis/Hórus é uma alegoria. O estudioso britânico A. N. Wilson apontou em seu livro, Jesus:

O Jesus da História e da Fé Cristã são dois seres separados, com histórias muito diferentes.

Os primeiros cristãos confundiram ficção com fato. Em sua ignorância fanática, traduziram erroneamente a linguagem alegórica espiritual do egípcio antigo como história alegada. “Cristo está em você” é a antiga mensagem egípcia da verdade que foi enterrada por aqueles que querem fazer história de uma alegoria espiritual. [Para mais informações, ver O Antigo Egito: As Raízes do Cristianismo, de M. Gadalla.]

A história das lutas políticas e doutrinárias dentro da Igreja durante e após o século IV tem sido amplamente escrita em termos de disputas sobre a natureza de Deus e Cristo e a relação entre eles. Essas partes foram distinguidas pelos nomes familiares jacobita ou copta, e melquita ou monárquico. Os jacobitas eram monofisitas por crença e principalmente por raça, embora não fossem exclusivamente pessoas nascidas no Egito, mas de descendência estrangeira (erroneamente considerados egípcios nativos), enquanto os melquitas eram seguidores ortodoxos da Calcedônia e, na maior parte, de origem grega ou europeia.

Os monofisitas, desde o início, defenderam uma doutrina que colocava a maior ênfase possível na divindade do Cristo e rejeitava sua natureza humana. Quando os teólogos ortodoxos de Roma e Constantinopla combinaram, no Concílio de Calcedônia, em 451, que Cristo deveria ser adorado “em duas naturezas inseparáveis unidas”, a oposição monofisita afirmou que, embora Cristo pudesse ter “ duas naturezas”, ele não poderia estar em duas naturezas. Como resultado, em 451, durante o reinado do patriarca Dióscoro, a Igreja Monofisita do Egito separou-se da Igreja Ortodoxa Melquita e elegeu o seu próprio patriarca. Desde o Concílio de Calcedônia em 451, cada uma das duas Igrejas teve seu próprio patriarca e administração separados.

Ouvimos muito sobre a perseguição aos “coptas”. No entanto, foram eles que pediram isso, ao não aceitarem outras crenças religiosas, incluindo seus colegas cristãos melquitas. A sua rejeição pelos direitos religiosos dos outros foi violenta e destrutiva. Embora pudessem ter seu próprio patriarca, os coptas insistiram em negar aos melquitas e outros o direito de adorarem ao seu modo. A chamada perseguição foi atribuída a Ciro, que foi enviado como patriarca imperial a Alexandria em 631 EC. A dupla sucessão de pontífices foi mantida. Ciro primeiro tentou um acordo entre as duas facções (melquitas e monofisitas). O acordo foi rejeitado pelos monofisitas – que não reconheciam sua autoridade.

Ciro teve que restaurar a ordem, em nome de seu Imperador, pois os monofisitas aterrorizavam e destruíam aqueles que simplesmente não concordavam com suas interpretações fanáticas. Ciro perseguiu os monofisitas, ou foram eles que pediram tal reação ao rejeitar sua autoridade? Por acréscimo, eles vinham perseguindo a terra e o povo do Egito (seus hospedeiros) por vários séculos, e ironicamente, Ciro, o cristão, foi quem os fez provar do seu próprio veneno.

Quando os árabes muçulmanos, em dezembro de 639 EC, partiram para conquistar o Egito com alguns poucos milhares de homens, sua tarefa foi relativamente simples, auxiliada pelo apoio ativo dos monofisitas cristãos não egípcios. Após menos de dois anos de luta e manobras políticas entre os invasores árabes e os bizantinos, Ciro assinou um tratado com os muçulmanos árabes em 8 de novembro de 641, que exigia a retirada total dos soldados romanos, impondo um imposto a todos os homens capazes e uma taxa sobre todos os proprietários de terras. As únicas partes constituintes do tratado eram os árabes muçulmanos e os cristãos não egípcios, que entregaram um país – (Egito) – que não era deles.

Por causa da cooperação ativa dos cristãos, os conquistadores árabes muçulmanos favoreceram a Igreja Monofisita, usando seu auxílio na coleta do imposto de votação incidente sobre os egípcios nativos. Em outras palavras, os árabes mantiveram a mesma administração de cobrança de impostos que estava sob o governo romano/bizantino. Em troca, os cristãos tiveram o direito de continuar a praticar sua religião. A derrota final do governo bizantino no Egito ocorreu quando seus soldados evacuaram Alexandria, em 642 EC. A partir dessa data, o Egito tornou-se uma colônia islâmica/árabe – sendo governada por estrangeiros – direta ou indiretamente através dos egípcios Afrangi.

Sob o domínio islâmico, uma pessoa deve anunciar oficialmente sua fidelidade a uma das três religiões “aprovadas” [Islamismo, Cristianismo e Judaísmo], pois a lei islâmica impõe um “imposto” adicional especial (conhecido como Jizia) sobre cristãos e judeus. A população egípcia, controlada ou ameaçada pelos invasores árabes (e seus cobradores de impostos – os cristãos), tinha que declarar uma das três religiões “aprovadas”. Essa declaração era uma necessidade e nunca uma conversão verdadeira. Uma vez que uma pessoa anunciasse sua “islamização”, ela nunca poderia mudar, pois isso seria considerado blasfêmia, o que é punível com a morte nas mãos de qualquer muçulmano. Além disso, todos os descendentes de pessoas islamizadas são automaticamente considerados muçulmanos – sob a lei islâmica – e, portanto, nunca podem condenar o Islã.

O termo copta surgiu antes do Cristianismo e é a palavra comumente usada pelos gregos para definir um egípcio. Os árabes, depois de 640 EC, usaram esse termo geral para rotular os egípcios não muçulmanos, e se referiam à população islamizada como árabes. Em outras palavras, os vencedores da invasão de 640 EC caprichosamente trocaram a raça dos egípcios para árabe por causa de uma religião que lhes foi imposta pelos conquistadores. Como resultado, o termo copta assumiu um significado diferente no século VII, quando passou a significar cristão em vez de egípcio.

Os egípcios tiveram suas terras repetidamente invadidas, sem nunca oferecerem qualquer resistência real. Os egípcios Baladi aprenderam a manter suas antigas tradições sob uma fina camada de Islamismo. Um provérbio egípcio comum descreve o seu modo de sobrevivência: “Ele/ela joga com um ovo e uma pedra – para proteger o ovo delicado de ser rachado pela pedra”. [Mais sobre a “islamização” do Egito em outros livros de Gadalla, como Egyptian Mystics: Seekers of the Way, A Cosmologia Egípcia: O Universo Animado e The Enduring Ancient Egyptian Musical System.]

 

Para obter mais informações sobre a população egípcia antiga (e atual), sua natureza, habitação, etc., consulte:

  • A Cultura do Antigo Egito Revelada, Segunda Edição
  • Egyptian Mystics: Seekers of the Way, 2nd ed.

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/cultura-antigo-egito-revelada/

————————————————————————————————————————–

Místicos egípcios: buscadores do caminho, 2º Ed.

View Book Contents at https://egypt-tehuti.org/product/egyptian-mystics-2/

———————————————————————————————————————–

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

—————-

B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com