Os festivais de renovação cíclica

Os festivais de renovação cíclica

 

O principal tema dos textos dos antigos egípcios é a natureza cíclica do universo e a constante necessidade de renovação de tais ciclos através de festivais bem definidos. Os egípcios viam/veem esses festivais como parte da existência humana, que constitui o ritmo de vida da comunidade e do indivíduo. Esse ritmo resulta da ordem da vida cósmica.

A renovação e o rejuvenescimento da vida do cosmos, da comunidade e do indivíduo são afetados por ritos. Esses ritos tinham/têm o poder de provocar o rejuvenescimento e o renascimento da vida divina. A não realização dos festivais nas datas e horários adequados poderia perfeitamente produzir sentimentos individuais ou coletivos de culpa. Como tal, os festivais egípcios passaram a ter a função de promulgação de renovações cosmológicas (religiosas). A maioria dos egípcios não só espera uma benção após sua participação, mas também teme que algum infortúnio aconteça se esse ato for negligenciado.

O objetivo dos festivais egípcios foi (e continua sendo) o rejuvenescimento e a renovação das energias cósmicas. Durante os inúmeros festivais religiosos do Antigo Egito, os participantes recuam sobre a verdade arquetípica de sua consciência cósmica – Assim na Terra, como no céu, e assim no céu, como na Terra. Todo festival sagrado atualiza o ciclo sagrado arquetípico. Esses ciclos sagrados tornaram-se parte do calendário. Mais precisamente, o calendário servia para indicar quando os poderes cosmológicos (neteru/deuses) se manifestavam, além de seus ciclos de renovação. Todos os primeiros escritores gregos e romanos afirmaram essas correlações cósmicas do egípcio antigo, tais como Plutarco, em seu Moralia Vol. V (377,65): V (377,65):

Eles [os egípcios] associam os conceitos teológicos com as mudanças sazonais na atmosfera circundante, ou com o crescimento das culturas e com o tempo de semear e arar …

Todos os elementos e regras que regem os festivais do Antigo Egito são aplicáveis rigorosamente aos festivais atuais com esquemas organizados e detalhados.

Os egípcios Baladi continuam considerando os festivais e seus rituais como o clímax de suas práticas religiosas, que são muito decisivas para a ordem e a harmonia do cosmos – e, por extensão, para o bem-estar de todos.

Todos os festivais atuais (exceto o de Mohammed e os de sua família imediata) são uma continuação de festivais egípcios antigos, camuflados sob nomes islâmicos. [Mais detalhes em Egyptian Mystics: Seekers of The Way, de Moustafa Gadalla.]

 

[Um trecho Egyptian Mystics: Seekers of the Way, 2nd ed. por Moustafa Gadalla]

Místicos egípcios: buscadores do caminho, 2º Ed.

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/egyptian-mystics-2/

—————————————————————————————————————–

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

——————-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com