O sistema musical cósmico arquetípico-harmonia das esferas

O sistema musical cósmico arquetípico –

harmonia das esferas

 

Os egípcios conscientes cósmicos desenvolveram sua música do próprio Cosmos — a harmonia das esferas.

A compreensão egípcia da harmonia universal, em um sentido astronômico-musical, foi confirmada por viajantes gregos e romanos adiantados. Diodoro da Sicília, em seu livro I [Seção 16-1], afirma:

“Foi por Thoth [TEHUTI], de acordo com os antigos egípcios… [quem] foi o primeiro a observar o arranjo ordenado das estrelas e a harmonia dos sons musicais e sua natureza. “

A relação íntima entre astronomia e música é o fundamental mais importante no pensamento egípcio. Esta intimidade manifesta-se em todos os aspectos do sistema egípcio — como veremos ao longo deste livro.

Enquanto a Academia ocidental atribui o conhecimento da astronomia aos gregos, os historiadores adiantados relataram o contrário. O grande Strabo (64 A.C.-25 D.C.) admitiu que:

“Os padres egípcios são supremos na ciência do céu… [os egípcios]… transmitir alguns dos seus preceitos; Embora ocultem a maior parte. [Os egípcios] revelaram aos gregos os segredos do ano inteiro, a quem o último ignorou como com muitas outras coisas… “

Astronomia “moderna” é atribuída às obras de Johannes Kepler (1571-1630 D.C.), e ele é creditado por ter “descoberto” as três leis planetárias. No entanto, nenhum desses acadêmicos ocidentais nos dizer como Kepler chegou (fora do ar) com estas conclusões. Na verdade, Kepler se vangloriou na impressão, no final do Livro V de sua série, harmonia do mundo, que ele redescobriu as leis perdidas do Egito, como afirmado abaixo:

“Agora, dezoito meses após a primeira luz, três meses após o verdadeiro dia, mas poucos dias depois do sol puro do que o estudo mais maravilhoso começou a brilhar, nada me restringe; é o meu prazer de ceder ao frenesi inspirado, é o meu prazer de provocar homens mortais com o reconhecimento sincero que eu estou roubando os vasos dourados dos egípcios para construir um tabernáculo para o meu Deus a partir deles, longe, longe dos limites do Egito.

O jubilante Kepler não disse que ele mesmo descobriu alguma coisa. Em vez disso, era tudo egípcio antigo. Clement Alexandrinus (200 D.C.) menciona 42 volumes credenciados ao Thoth egípcio (TEHUTI) em vários assuntos. Dois livros estavam na música e quatro outros em astronomia, um contendo uma lista das estrelas fixas, outra cobrindo os fenômenos do sol e da lua, e outros dois sobre o aumento das estrelas. Outro continha uma cosmografia e geografia, o curso do sol, a lua, e os cinco planetas.

Diversas divindades egípcias antigas (deuses/deusas) foram associadas com a música. Um dos principais neteru musical (deuses/deusas) foi Hathor. Seus santuários estão espalhados por todo o Egito.

Hathor era/é chamado os sete Hathors. Atual Baladi egípcios chamá-la Saba-Banat (que significa sete Maid-ENS). Observe abaixo as 7 colunas com a cabeça de Hathor na fotografia do Templo de Philae em Aswan.

O texto do belo hino dos sete Hathors no templo de Dendera mostra a relação íntima entre a música e o Cosmos:

O céu e suas estrelas fazem música para você.
O sol e a lua te elogiam.
O neteru exaltar você.
O neteru cantar para você.

O texto deste hino é constituído por sete estrofes (iguais às sete esferas metafísicas). Cada estrofe consiste em quatro linhas (igual a um Tetra-acorde).

Hathor é uma das divindades muito antigas dos antigos egípcios. Os textos inscritos nas criptas do Templo de Hathor em Dendera claramente afirmam que o templo (restaurado durante a era ptolemaica) foi baseado em desenhos que datam do Rei Pepi da 6ª dinastia (2400 A.C.). Os próprios desenhos são cópias de documentos pré-dinásticos. O texto lê:

A venerável Fundação em Dendera foi encontrada em escritos iniciais, escrito em um rolo de couro no tempo dos servos de Horus [os reis que precedem Mena/Menes] , em Memphis, em um caixão, na época do senhor das duas terras… Pepi.

Hathor foi chamado de amante de canto e amante da dança. OsHathors S even representam a intimidade da música e da dança para os sete planetas mais próximos de nós — na terra. Observe abaixo os sete dançarinos do Templo de Philae em Aswan.

Todos rapidamente vibrando, girando (dançando) corpos produzem sons como uma corda vibratória que produz som quando é atingido. O som produzido a partir da corda depende-entre outras coisas-sobre a sua espessura/peso, a velocidade do seu movimento, e sua distância do ouvido humano.

Da mesma forma, os sons (passos relativos) produzidos a partir dos planetas girando são uma função dos pesos dos corpos, suas velocidades particulares, e suas posições relativas.

Para reconhecer o impacto na terra pelos sons celestiais, a terra é considerada descomovente, no centro de todas as coisas. Os sete planetas que têm impacto sobre nós os moradores da terra são, do mais próximo ao mais distante: a lua, mercúrio, Vênus, sol, Marte, Júpiter e Saturno. Eles giram, alguns em um maior e alguns em uma órbita menor. Aqueles que têm a órbita menor giram mais rápido, e aqueles que têm o maior gira mais lentamente.

A lua, situada mais próxima da terra, é o corpo mais veloz, produzindo assim uma nota do campo mais alto. Saturno, o mais alto dos céus (e mais distante da terra), produz o arremesso mais baixo.

O movimento dos sete planetas é melodioso. A mudança de velocidade, direção, distância de órbita e tamanhos dos sete planetas produzem os sete tons naturais conhecidos como a escala diatônica (do, Re, mi, FA, sol, la, si).

A aplicação egípcia antiga da relação entre os sete dias da semana, os tons naturais da escala diatônica, e os sete planetas foram claramente expressos por Dio Cassius (2ND século CE) em seus volumes história romana, livro XXXVII [Secções 18, 19], que declarou inequivocamente:

O costume de referir os dias às sete estrelas chamados planetas foi instituído pelos egípcios, mas é encontrado agora entre toda a humanidade, embora sua adopção por outros países seja comparativamente recente; de qualquer forma os antigos gregos nunca entenderam isso. Mas, uma vez que agora é bastante a moda com a humanidade em geral e mesmo com os próprios romanos, e para os egípcios já é uma tradição ancestral, gostaria de escrever brevemente dele, dizendo como e de que forma foi tão arranjado. Ouvi duas explicações, que não são difíceis de compreender, é verdade, embora envolvam certas teorias. Pois se você aplicar o “princípio do tetrachord” (que é acreditado para constituir a base da música) para essas estrelas, pelo qual todo o universo do céu é dividido em intervalos regulares, na ordem em que cada um deles gira, e começando na órbita externa atribuída a Saturno, em seguida, omitindo os dois próximos nome o senhor do quarto, e depois disso passar mais de dois outros chegar t Ele sétimo, e você, então, voltar e repetir o processo com as órbitas e suas divindades presidindo desta mesma maneira, atribuindo-os para os vários dias, você vai encontrar todos os dias para estar em uma espécie de conexão musical com o arranjo dos céus. Esta é uma das explicações dadas; o outro é como segue. Se você começar na primeira hora para contar as horas do dia e da noite, atribuindo o primeiro a Saturno, o próximo a Júpiter, o terceiro a Marte, o quarto ao sol, o quinto a Vênus, o sexto a mercúrio, e o sétimo à lua , de acordo com a ordem dos ciclos que os egípcios observam, e se você repetir o processo, cobrindo assim as 24 horas inteiras, você encontrará que a primeira hora do dia seguinte vem ao sol. E se você continuar a operação durante as próximas 24 horas da mesma maneira como com os outros, você vai dedicar a primeira hora do terceiro dia para a lua, e se você proceder da mesma forma através do resto, cada dia vai receber o seu planeta apropriado. Esta, então, é a tradição egípcia.

Veja os 24 x 7 padrão musical egípcio antigo, de acordo com a afirmação acima de Dio Cassius, que é mostrado logo abaixo.

A afirmação de Dio Cassius atesta estes factos principais:

1. a relação entre os sete dias da semana e os sons harmônicos naturais da escala diatônica foi instituída pelos antigos egípcios. Tal relação foi uma consequência da música celestial dos sete planetas (vagando).

O costume de referir os dias às sete estrelas chamados planetas foi instituído pelos egípcios. . . . e a eles já uma tradição ancestral. . .

2. a relação entre os sete planetas e os dias da semana (como praticado pelos egípcios), de acordo com Dio Cassius, começou com Saturno.

Começando na órbita externa atribuída a Saturno… todos os dias para estar em uma espécie de conexão musical com o arranjo dos céus…

 

 

3. os princípios dos tetracordes foram implementados no sistema musical egípcio antigo, à seqüência acima mencionada dos sete planetas. Dio Cassius afirmou:

Se você aplicar o “princípio do tetrachord” (que é acreditado para constituir a base da música) para essas estrelas,. . .

Tetrachord é uma palavra que significa simplesmente quatro cordas. As partes essenciais do tetracórdio eram/são as cordas superiores e inferiores. Estes fizeram um quarto perfeito uns com os outros. O “quarto perfeito”, como tal, é o som feito pelo quarto Tom natural de qualquer nota dada. Se começarmos a escala em, digamos C (do), seu quarto será F (FA) na escala ascendente.

O plano mestre musical egípcio antigo mostrado acima indica como os dias da semana formam um quarto perfeito entre eles. Exemplos:

Domingo – segunda-feira: mi, FA, sol, la (e, F, G, A)

Quinta – sexta-feira: do, re, mi, FA (C, D, E, F)

4. a divisão do dia em 24 horas também vem dos egípcios. Aplicando o primeiro dos planetas (Saturno) à primeira hora do primeiro dia da semana, e em cada hora seguinte, o planeta seguinte, na ordem indicada previamente, nós encontraremos, repetindo alternativamente a mesma ordem, que a primeira hora do segundo dia Corr escrevem ao sol; o primeiro do terceiro, para a lua, e assim por diante.

A divisão do dia em 24 horas e a semana em 7 dias fornece o teste padrão harmonioso perfeito, onde a ordem das horas (dias) coincide com a distribuição por fourths entre dias consecutivos. Em outras palavras, um sistema não pôde ser estabelecido sem o outro.

5. Dio Cassius afirmou especificamente que nem os gregos nem os romanos dividiram o dia em horas, nem o mês em porções de sete dias, ou semanas. É dos egípcios, como testifica Dio Cassius, que os outros povos tomaram esse uso.

. . . a sua adopção por outros países foi comparativamente recente; de qualquer forma os antigos gregos nunca entenderam isso. Mas uma vez que agora é bastante a moda com a humanidade em geral e mesmo com os próprios romanos, e para os egípcios já é uma tradição ancestral.

6. o puramente egípcio 24 x 7 mesa musical fornece um sistema com eixos coordenados que corresponde com o jogo egípcio antigo de damas, que foi a base para a escolha de tons e modos adequados, com base nas diagonais extraídas de uma referência particular Ponto. Este tipo de pensamento concorda com os textos astronômicos egípcios que são chamados de calendários diagonais e relógios estrela diagonal. Em outras palavras, a escolha de tons e modos adequados está intimamente relacionada com a harmonia das esferas.

 

[Um trecho traduzido de  The Enduring Ancient Egyptian Musical System – Theory and Practice por Moustafa Gadalla]

O duradouro egípcio antigo musical Systemâteoria e prática, segunda edição

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/ae-musical-system/

——————————————————————————————————————–

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

——————-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com