Energizando a semana diatônica

Energizando a semana diatônica

 

1. a escala musical natural

Antes de prosseguir com mais informações sobre o conhecimento do antigo Egito, devemos rever alguns termos e fundamentos simples em nossa nomenclatura moderna.

• Considere uma seqüência de um determinado comprimento como unidade. Defini-la vibrando; Ele produz um som-mostrado aqui como fazer.

• Pare a corda no seu ponto médio e defina a metade dela vibrando. A frequência das vibrações produzidas é o dobro que é dado pela corda inteira, e o Tom é levantado por uma oitava [mostrada nisto como faz1].

• Entre a nota original (produzida a partir de todo o comprimento — do) e o som produzido no ponto médio (sua oitava, fazer1) existem seis posições onde a orelha interpreta seis diferentes sons harmoniosos (re, mi, FA, sol, la, si) localizado a distâncias desiguais umas das outras. A reação a todos os sons de tons naturais caracteriza-se por um senso inconfundível de equilíbrio.

• Os sete sons naturais são dadas as letras a , B, C, D, e, F, e G, para as sílabas: la, si, do, re, mi, FA, e sol.

O intervalo entre cada um desses tons é o seguinte (usando o do (C) como ponto de partida):

Do e re — (C e D) — Tom completo
Re e mi — (D e e) — Tom completo
Mi e FA — (e e F) — semitona
FA e sol — (F e G) — Tom completo
Sol e la — (G e A) — Tom completo
La e si — (A e B) — Tom completo
Si e do — (B e C1) — semitona

A distinção entre um tom inteiro e um semitom pode facilmente ser reconhecida em um teclado. O intervalo entre o do (c) e o re (D) tem uma chave preta entre eles e é conseqüentemente esse de um Tom inteiro, mas entre mi (e) e FA (F) e si (B) e faz (c) onde a chave preta está faltando, o intervalo é apenas a de um semitona.

Como tal, cada escala diatônica tem duas semitonas — entre e (MI) e F (FA) e B (si) e C (do).

A escala diatônica (a, B, C, D, E, F, G) pode começar a partir de qualquer som natural, digamos, c, até atingir sua oitava em c1 (em uma série crescente-ascendente), ou para C1 (em uma série descendente-decrescente).

Portanto, existem sete tipos de escalas diatônicas, em cada direção-para cima e para baixo. Cada escala é referida pelo seu primeiro Tom, como a escala C, D-escala, etc. Alguns exemplos são mostrados abaixo.

 

2. os dois centros energéticos

A maioria silenciosa atual do povo egípcio (Baladi) correlaciona atividades específicas de sua vida diária para determinados dias da semana. Estas atividades concentram-se em dois períodos focais: a véspera de segunda-feira (domingo à noite) e a véspera de sexta-feira (quinta-feira à noite), com mais foco na véspera de sexta-feira (isso não tem absolutamente nada a ver com o Islã, qualquer que seja). Cerimônias de casamento só são permitidas nessas duas noites, com preferência a sexta-feira Eve. Milhares de santuários locais (nada relacionado ao Islã) são visitados em ambas as vésperas, com preferência especial para a véspera de sexta-feira. Os povos passam a noite de sexta-feira Eve nos túmulos de seus parentes falecidos (contrary ao Islam). Relações entre casais é muito especial na sexta-feira Eve. As atividades de namoro de todos os tipos são mais prevalentes na sexta-feira Eve. Todos os tipos de atividades (corte de cabelo, trabalho de açougueiro, etc.) seguem o mesmo padrão.

Desde os tempos egípcios antigos, a semana começou em uma nota alta (musical), ou seja, sábado. [Igualando sábado a Saturno, o mais alto, será esclarecido no final deste capítulo.] Como tal, o layout da semana, com as duas vésperas focais especiais, olhar como segue:

layout da semana

As atividades concentradas em ambas as extremidades da semana (com dois centros de atividade — uma mais proeminente do que a outra) correspondem a uma forma elíptica que está em conformidade com a primeira lei planetária de Kepler.

Johannes Kepler (1571-1630) redescoberto — de fontes egípcias — que a órbita de um planeta/cometa sobre seu sol é um caminho em forma de ovo (elipse). Cada sistema planetário é equilibrado apenas quando a órbita do planeta é um avião em forma de ovo que tem dois focos, com o centro de seu sol de massa em um de seus focos. Similarmente, as tradições egípcias seguem o mesmo padrão. Todos os aspectos do seu pensamento e da sociedade podem ser fundamentados pelas características em forma de ovo, incluindo a música.

 

3. a escala de Dorian egípcia

A sequência mais popular da escala diatônica ao longo da história egípcia (antiga e atual) é a escala mais brilhante, ou seja, a escala D, que vai:

D — E • F — G — A — B • C — D1
[— denota o intervalo completo, • denota o meio intervalo]

d-escala

Devido à presença de dois meio-intervalos na escala diatônica entre e – F e B – C, a escala D é a única escala simétrica em ambas as direções — ascendente ou descendente.

Aplicando a seqüência dos sete sons naturais da escala D para os sete dias da semana, temos:

d-escala-semana

Não se pode deixar de notar a simetria dos dias de semana que também é moldada como uma elipse com dois pontos focais no domingo-segunda-feira e quinta-feira-sexta. Esta escala é idêntica às tradições egípcias das atividades polares semanais, como afirmado anteriormente.

A escala D ascendente é o modelo para uma comunicação deliberada com reinos mais altos. Em uma escala D ascendente, o primeiro ‘ intervalo ‘ (semitona) vem entre e (MI) e F (FA). Não é necessária demasiada energia nesta conjuntura, e a oitava desenvolve-se suavemente para B (si). No entanto, a segunda semitona entre B (si) e C (do) precisa de energia muito mais forte para o seu desenvolvimento necessário do que entre e (MI) e F (FA), porque as vibrações da oitava neste ponto são de um passo consideravelmente maior . Estas são as razões para a luz atividades egípcias no domingo-segunda-feira e as atividades mais grandes na quinta-feira-sexta.

A D-escala descendente representa as comunicações entre os reinos mais elevados e nosso reino terrestre. Tomado na direção descendente, uma oitava descendente desenvolve-se muito mais facilmente do que uma oitava ascendente. Forças sobrenaturais exigem menos esforço para se comunicar conosco na terra. O primeiro semitona ocorre imediatamente, entre C (do) e B (si). Não é necessária muita energia nesta conjuntura, onde a energia necessária é frequentemente encontrada tanto no c (do) em si ou nas vibrações laterais evocadas por c (do). A oitava se desenvolve suavemente para F (FA). O segundo semitona F – E (FA-mi) requer um choque consideravelmente menos forte do que o primeiro.

A escala mais favorecida no Egito é chamada bayati. É uma escala D e, portanto, fornece a perfeita comunicação harmoniosa entre o acima e o abaixo-de e para.

A escala D era conhecida na Grécia antiga como a escala Dorian /modo. Vamos encontrar mais tarde que dor-Ian é um termo egípcio que foi e continua a ser usado no Egito.

 

4. os dorianos egípcios

Platão, Aristóteles, Plutarco, e outros notáveis gregos estavam escrevendo em seu tempo sobre o mau estado da música em seu país. Eles sempre fizeram referência a um sistema mais antigo e mais superior de música nas ilhas gregas. Este sistema mais antigo foi baseado no sistema musical Dorian. Os textos gregos velhos na música usam sempre dor-Ian como um adjetivo: modalidade de Dorian, escala de Dorian, etc.

Herodotus (500 A.C.), o pai grego da história, afirmou que ele veio de Halicarnassus, uma cidade de dor-Ian. Ele claramente afirmou a conexão entre os dorianos e o Egito nas histórias [livro seis, seções 53-55]:

[53]… se um fosse para rastrear de volta, geração por geração, a linhagem de Danaë a filha de Acrisius, os chefes dos Dorians se tornaria verdadeiros egípcios nascidos.

[55] O suficiente foi dito sobre tudo isso. Outros explicaram como e através de que realizações eles se tornaram reis sobre os dorianos, apesar de serem egípcios, e por isso não vou entrar nisso. Vou gravar coisas que os outros não pegaram.

Herodotus, em [55] acima, afirmou que tal fato era um conhecimento comum em seu tempo (500 A.C.) e não necessitava de elaboração.

Outras similaridades entre os dor-IANS e os egípcios foram feitas referência a, diversas vezes por Herodotus, como nas histórias [livro dois, seção 91].

A influência do egípcio Dorian estendeu-se por toda a bacia mediterrânica. Em Tarentum, no sul da Itália, o célebre centro de Pitágoras foi estabelecido por Pythagoras e seus seguidores depois que ele passou 20 anos estudando no Egito no século 5 A.C. O centro tornou-se sua grande sede cultural e filosófica.

Sobre o tema da música, esta região Dólica/Dorian no sul da Itália forneceu notáveis como:

• Philolaus, famoso Pitágoras.

• Archytas de Tarentum (ca. 400 A.C.).

• Aristoxenos de Tarentum (ca. 320 A.C.).

Suas escritas mostram o uso extensivo do sistema egípcio antigo que foi entregado para baixo a eles por Pythagoras. Mas por causa de uma perda de princípio, seus escritos são fragmentados, errôneos e confusos.

 

[Um trecho do The Enduring Ancient Egyptian Musical System—Theory and Practice por Moustafa Gadalla]

O duradouro egípcio antigo musical Systemâteoria e prática, segunda edição

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/ae-musical-system/

———————————————————————————————————————

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

——————-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com