Assentamentos egípcios antigos em todo o mundo

Assentamentos egípcios antigos em todo o mundo

 

O Egito era o país mais dominante, populoso e famoso do mundo antigo, conforme afirmado por Diodoro, em Livro I, [31, 6 – 9],

Em densidade populacional, o Egito ultrapassou as antigas regiões conhecidas do mundo habitado, e mesmo em nossos dias pensa-se ser inigualável
A população total, segundo eles, era antiga, de cerca de sete milhões, e o número não diminuiu nos nossos dias.

Heródoto afirmou que existiam no Egito 20 mil cidades populosas durante o reinado de Amasis. Diodoro informou que havia 18 mil grandes aldeias e vilarejos e afirmou que, sob Ptolomeu Lagus, eles chegaram a mais de 30 mil. Josefo estimou a população durante o reinado de Vespasiano como sendo de 7,5 milhões no vale do Nilo, além da população de Alexandria, que era de cerca de 800 mil.

Superficialmente, o Antigo Egito parece isolado e distinto do resto do mundo, separado pelos desertos que margeiam o estreito vale do Nilo. No entanto, os egípcios estavam em constante contato com outros países. Escritores clássicos como Plutarco, Heródoto e Diodoro contaram como o Antigo Egito tinha colônias pacíficas em todo o mundo. Diodoro da Sicília, em Livro I, [29, 5], afirma:

Em geral, os egípcios dizem que seus ancestrais enviaram inúmeros colonizadores para muitas partes do mundo inabitado, em razão da primazia de seus antigos reis e de sua população excessiva;

Diodoro, em Livro I, [28, 1 – 4], menciona algumas colônias egípcias pacíficas na Ásia e na Europa que lhe foram relatadas:

. . . um grande número de colonizadores foram espalhados do Egito para todo o mundo habitado. Para a Babilônia, por exemplo, os colonos foram liderados por Belus, que era considerado filho de Poseidon e Líbia…
Dizem também que aqueles que seguiram com Danaus, do Egito, fundaram o que é praticamente a cidade mais antiga da Grécia, Argos, e que a nação dos Colchi em Ponto e a dos judeus, que fica entre a Arábia e a Síria, foram fundadas como colônias por alguns emigrantes de seu país…

Em virtude da eminência dos colonos egípcios na Ásia e na Europa, eles desempenharam um papel importante nos países de seus novos assentamentos. Diodoro, em Livro I, [28, 6 – 7], discute o papel significativo dos colonos egípcios como governantes dessas novas colônias:

Além disso, alguns dos governantes de Atenas eram originalmente egípcios, dizem eles. Petes, [chamado de Peteus na Ilíada 2.552.], por exemplo, o pai de Menesteu que participou da expedição contra Troia, tendo sido claramente egípcio, obteve cidadania e realeza em Atenas.

Diodoro, em Livro I, [29, 1-5], também afirma:

Do mesmo modo, eles continuam, Erecteu, que foi por nascimento um egípcio, também tornou-se rei de Atenas… Erecteu, através de sua conexão racial com o Egito, trouxe de lá para Atenas um grande suprimento de grãos e, em troca, os que tinham apreciado essa ajuda tornaram-no o seu rei benfeitor. Após ter assegurado o trono, ele instituiu os ritos iniciais de Deméter em Elêusis e estabeleceu os segredos, transferindo seu ritual do Egito… E seus sacrifícios, assim como suas antigas cerimônias, são observados pelos atenienses da mesma forma que pelos egípcios…

responsáveis pelas mais importantes cerimônias religiosas da Ática; os pastophoroi eram aqueles sacerdotes egípcios que levavam pequenos santuários dos deuses em procissões. Eles também são os únicos gregos que juram por Ísis, e se parecem muito com os egípcios tanto em sua aparência quanto em seus costumes.

Heródoto [500 AEC] afirmou que vinha de Halicarnasso, uma cidade doriana. Ele estabeleceu claramente a conexão entre os dóricos e o Egito, em História, Livro 6, [Seções 53 – 55]:

[53] . . . se alguém rastreasse, geração por geração, a linhagem de Danaë, filha de Acrisius, os chefes dos dóricos se tornariam verdadeiros egípcios.

[55] Já foi dito bastante sobre tudo isso. Outros explicaram como e através de quais realizações eles se tornaram reis sobre os dóricos, apesar de serem egípcios, e por isso não vou entrar nesse assunto. Registrarei coisas que outros não captaram.

Heródoto, em [55] acima, afirmou que esse fato era de conhecimento comum em seu tempo [500 AEC] e que não precisava de elaboração. Outras conexões entre os dóricos e os egípcios foram feitas várias vezes por Heródoto, como em História, Livro 2, [Seção 91].

Por fim, devemos notar que os registros egípcios antigos (assim como os registros em outras regiões) têm inúmeros nomes de lugares no mundo que não são reconhecidos no nosso tempo atual. Nomes de lugares, grupos étnicos e países continuam mudando. Os nomes dos países europeus de apenas 100 anos atrás, por exemplo, são irreconhecíveis para a maioria dos europeus atuais. Eventualmente, quando esses registros desaparecerem, daqui a poucos séculos, os nomes desses países se tornarão totalmente irreconhecíveis.

Em vários locais do mundo, há referências a pessoas bronzeadas/de pele marrom que trouxeram progresso para várias regiões do mundo. Elas são descritas como:

  1. de origem e características “orientais”.
  2. pessoas não guerreiras que se estabeleceram pacificamente entre a população local.
  3. altamente avançadas em metalurgia, fabricavam grandes quantidades de produtos metálicos.
  4. altamente organizadas e muito talentosas em gestão.
  5. altamente avançadas em agricultura de clima seco, irrigação, etc.
  6. construtoras e artesãs experientes, construíram túmulos megalíticos, etc.
  7. pessoas muito religiosas que tinham crenças animistas.

As descrições acima só podem ser aplicadas a um país – Egito. Ao combinar tradições orais, etno-história e evidências arqueológicas (datação de grandes assentamentos, túmulos, atividades de mineração etc.) de todas as pessoas da Bacia do Mediterrâneo, pode-se ver que os recém-chegados civilizados poderiam vir apenas do Vale do Nilo.

A emigração do Egito ocorreu em várias ondas. Estava intimamente relacionada com eventos no Antigo Egito. Alguns partiram em tempos prósperos para buscar contatos comerciais. A maioria partiu em momentos tensos.

Para mais informações sobre as ondas de emigração egípcias para o Sub-Saara e o interior da África, leia Exiled Egyptians: The Heart of Africa, de Moustafa Gadalla.

Para mais informações sobre as ondas de emigração egípcias para a Península Ibérica, leia Egyptian Romany: The Essence of Hispania, de Moustafa Gadalla.

 

[Um trecho A Cultura do Antigo Egito Revelada, Segunda Edição por Moustafa Gadalla]

Ver conteúdo do livro em https://egypt-tehuti.org/product/cultura-antigo-egito-revelada/


Egípcio Romany: a essência da Hispania, 2nd Ed.

Ver conteúdo do livro em https://Egypt-TEHUTI.org/Product/Egyptian-Romany-Essence-Hispania-2nd-Ed/

————————————————————————————————————————-

Reserve outlets de compra:

A-brochuras impressos estão disponíveis na Amazônia.

—————-
B-o formato PDF está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
—–
C-o formato mobi está disponível em…
i-nosso site
ii-Amazônia
—–
D-o formato ePub está disponível em…
i-nosso site
ii-Google Books e Google Play
iii-iBooks, Kobo, B & N (Nook) e Smashwords.com